segunda-feira, 1 de novembro de 2010

ENTRE CAFAJESTES E CANALHAS




Qualquer mulher já esbarrou em um ou n’outro. E sim, há diferenças.  Há esperanças no canalha, já o cafajeste é um mau caráter, um caso perdido. Repare como se pronuncia ca-na-lha. É sexy, instigante. Um secreto pedido de beijo, com todo desaforo que há nas paixões. É como pronunciar de-lí-cia, reparem. Se ela te chamar de ‘canalha’ garanhão, vai que é tua! 
Je t’aime moi non plus.

O canalha é um maravilhoso filho da puta. É o cara que lamenta não se apaixonar. Está cansado da sua reputação. O cafajeste é um porco chauvinista, um escroto de índole aproveitadora. O canalha diz a que veio, o cafajeste jamais virá. O cafajeste não presta nem pra ser canalha. É um desgraçado bom de lábia, que depois te faz chorar Rios Nilos inteiros. Já conheci as duas espécies. São as novas pragas do século XX. Vamos ao que interessa.

Há uns 2 anos eu me apaixonei por um cara que se encaixava nos meus sonhos dourados. Tinha uma mente ácida, vívida, perfeita para marias-cérebros como eu. Na época, ele sonhava em ser assessor político. Falava sobre tudo. Homens que discutem guerras, política, sexo e cinema não aparecem que nem mamão de feira, são como bilhetes premiados. Então, vez em nunca, quando surgem, eu sou toda dedicação. Maaass... paixões avassaladoras costumam nos deixar cegas. E ninguém confere ficha criminal antes de se envolver, né? É fatal e fatídico. Eu achava que era só um canalha, era um tremendo cafajeste.

Eu não sei qualé o seu problema, donzela. Se teu carinha te traiu com tua melhor amiga. Se de repente, vc descobriu que ele gosta mesmo é de dar o cu. Se ele roubava dinheiro da sua carteira. Eu não sei. O cafa em questão não era nada disso. Sequer era meu. Conhecíamo-nos há um bom tempo, mas éramos só ‘amigos coloridos’ de internet. Não pretendia ter filhinhos com ele, mas achava que COMIGO, podia ser diferente. Mal sabia eu, que o coração dele saíra congelado de um isopor de cervejas baratas. Mal sabia que aquele roteiro ele já havia ensaiado 9898786 de vezes.

Nosso primeiro encontro na vida real foi numa sala de cinema. Era época do Ciclo Folha de Jornalismo. Rodava um filme sobre jornalismo, ao final, alguém do jornal discutia o tema da película. Ouvimos interessados e passamos quase 3 horas sem trocar nenhuma palavra. Até que a sessão acabou e fomos a um boteco. Pronto. Foi o bastante. Ele era desses caras com quem vc conversa hoooooras na mesa do bar, sobre os 7 assuntos mais interessantes do planeta. Por ele, eu era toda admiração.

No ano anterior minha vó havia falecido e minha mãe se curava de um câncer. Fragilidade em alta. Esperei tudo normalizar até vir morar em SP. Ele se disse orgulhoso pela minha coragem em ‘abandonar uma vida, começar outra do zero’. Disse adorar minha origem. E eu muito prezo homens que me valorizam pela minha origem ou pela minha força, sabe? Ponto fraco. E ponto pra ele.

Então veio o beijo. Deu ódio ver que o beijo dele era o melhor do mundo naquele instante. Ódio mortal. Daí ele disparou: ‘Minha casa ou a sua?’. Estava claro nas entrelinhas: ‘É só sexo, querida. Não se apaixone por mim’. Mas eu estava disposta a comprar briga. E não houve sexo. Porque eu era insegura e me precupava com o que ele ia pensar e mimimi. E ele falava mil segredos de liquidificador no meu ouvido pra tentar me convencer, 9897654 de coisas lindas, que agora eu não lembro mais. Mandava flores de plástico. Jogava pesado. Eu resisti bravamente e ele virou pó. Claro, ainda estava presente na minha vida virtual. Mas daquele dia em diante, recusava TODOS os meus convites pra sair.

Aí desisti. Mas pensava nele as 24598875 horas do dia. Fiquei obcecada em encontrá-lo pela rua. Diria Samuel Rosa, ‘não sei porque nessas esquinas vejo teu olhar...’. Até que resolvi: tinha de matá-lo ou enlouqueceria. Precisava OUVIR que ele não me queria e todas as coisas lindas que me disse eram contos da carochinha. Mulher obcecada tem dessas coisas, colega. A gente se pergunta porque o cara não quer, se somos tão perfeitinhas. Ou o que fulana tem que vc não. Coisas de ego filho da puta de traiçoeiro. Daí a gente precisa de um xeque-mate. Uma espécie de despedida. Eu sou assim: abriu a porta baby, feche-a de volta. Para que eu possa jazer em paz. Não era crime não me querer, crime era não verbalizar isso.

Então cometi a maior loucura do mundo. Coisa que se faz apenas uma vez na vida. Atenção, a seguir, registro de cenas fortes. Os fracos de estômago e fortes de moralismos, podem parar por aqui.

Saí de casa decidida. Pus um vestido preto justo até os joelhos. Escarpin bege, batom vermelho. Estava bonita mesmo, juro pra vc. E fui até a casa dele. Em São Paulo, isso significa uma odisséia. Era noite e eu não sabia o número do apartamento no condomínio, mas descobri. Ele desceu sem saber que eu o esperava. Quando me viu, falou: ‘Você?’. E eu pude ouvir o som alto das minhas batidas cardíacas. Parecia escola de samba. Parecia novela.

Então falei tudo que eu sentia por ele aquele tempo todo. Não disse em claro português ‘estou apaixonadinha por vc’. Mas ele entendeu, com aquela cara de quem estava me achando uma louca por estar ali.

- Preciso que vc me diga que não me deseja. Porque eu preciso queimar essa idealização que eu tenho de vc há muito tempo.
- Não era óbvio? Foi só aquela noite, Flávia.
- Não era, não. Mas eu precisava ouvir.
- Aliás, vc deu sorte de’u estar em casa hoje. Se eu não estivesse, vc ia ficar aqui plantada, esperando?

Levantei para ir embora e me inclinei para dar um beijo nele de despedida. O rapaz virou o rosto. Aí eu percebi que ele não havia entendido nada. Achou que eu estava ali por ele, infantil como ‘Ivo viu a Uva’. Tsc, tsc... Eu estava ali POR MIM. Porque estava sofrendo com aquele auto-flagelo. Paradoxalmente, precisava dele para esquecer dele. Beber de todo o veneno, para morrer de súbito e renascer uma Fênix. Doses cavalares daquele crápula.

Quando cheguei em casa, percebi que ele havia me excluído completamente da vida virtual. No twitter, registrou: ‘Como tem gente louca neste mundo, não?’. Perdeu-se na própria vaidade e viajou que’u ia persegui-lo com uma Pexeira cidade afora. Aí posou de fodão, era fácil chutar cachorro morto, afinal. Coisa de moleque. No fim, eu devo ter virado lenda urbana nas conversas de bar entre os amigos.

O engraçado é que tudo isso ajudou. Sem notícias, foi fácil esquecê-lo. Ele finalmente virou um abajur de sala e eu continuei passional. Passional E sóbria. Continuei sendo daquelas que lambe a tampa do iogurte pra não desperdiçar nenhum resto da manhã.

Mas a vida é irônica. Muito tempo depois, conheci um homem muito parecido com este rapaz. Só que HOMEM. Maduro, sensato. No games, no pain. Achei que estava recebendo uma segunda chance, numa versão melhorada. Para este eu dei meu sexo como se não houvesse outra chance de ser feliz. Quiçá, meus olhares silenciosos, meus suspiros. E não me arrependo. Deste, eu me despediria até o fim dos tempos. Só porque antes de sumir do mapa, ele me disse adeus. Abriu a porta, fechou ele mesmo. Não foi cafajeste, foi um canalha. Um doce canalha. 

Sawyer: O adorável canalha

Então, meninos, às vezes é mais fácil verbalizar um fora, mas não precisa ser escrotinho e achar que vc é a última Coca-Cola do deserto. Meninas são mulheres, mulheres são meninas, mas isso só dura um verão.

Às donzelas, pelo amor de Jesus Cristinho, NÃO FAÇAM isso que eu fiz em casa, ok? Ato impensado, nenhum babaca merece este tipo de loucura. Mas valeu a pena. Como tudo vale, diria Fernando Pessoa, quando a alma não é pequena. E bom, se depois da minha tragédia shakesperiana vc não desejar um cara legal, está configurada aí uma doença crônica, por supuesto.

11 comentários:

  1. eeeeeeeeeeeeta!
    essa é minha irmã de volta num tema super oportuno!
    adorei a narrativa. você escreve de um jeito fluido que só faz dar mais vontade ainda de ler. foi legal finalmente entender porque tem filhos da puta que são encantadoramente apaixonantes justamente por seres filhos da puta. achei que fosse masoquismo meu, mas GRAZADEUS, é um mal necessário e coletivo. porque né? o que seria da nossa vida sem estes mancebos pra salpicar um pouco de cor quando a vida tá cinza demais?
    adorei o post. :)

    ResponderExcluir
  2. Caracas!!Acredita que tambem já fiz isso!!!!Rsrs E só q fui Lá fiquei com ele ,alimentei o meu ego ,fui embora sem dizer Adeus,melhor de tudo foi q ele me procurou e tive o prazer de dizer Q ele já não me interessava mais,e só fiquei com ele pra saber se valia a troca pelo meu suposto atual ...e q tinha valido meu atual era muito melhor do ele foi todo tempo q estava comigo!!!

    ResponderExcluir
  3. Já fiz isso. Acho que tem isso do ego que você falou, da gente precisar tomar aaté última gota do veneno, sugar tudo, morrer do coração pra finalmente renascer.

    Eu fui mais extrema que você pq a história tinha sido um pouco mais complicada, mas não me arrependo. Me arrependo de ter começado qualquer coisa com ele, isso sim, mas já que já tinha começado, eu PRECISAVA me libertar. E o único jeito de me libertar era chegar até o fundo do poço pra achar a mola que dizem que tem naquele subsolo.

    Foi ótimo. Foi a experiência mais enriquecedora da minha vida sentimental, pq eu aprendi a nunca mais passar por cima de certos defeitos, que na primeira vacilada FEIA é um sinal gigante pra gente pular fora, não pra gente tentar mais.

    Hoje encontrei outro homem. Esse parece valer a pena, mas confesso que o estrago que o outro fez ainda está aqui. Fico me perguntando que horas o cara vai me dar uma rasteira e me fazer sofrer. Mas né, até onde a dignidade permite, dessa vez a gente se joga ;D

    ;*

    *Atualize mais, por favooooor!

    ResponderExcluir
  4. Flavinha,

    Adorei o post, aliás, amei o blog, virei sua fã!
    Hoje consegui classificar quantos canalhas e quantos cafajestes passaram por minha vida. Hoje, resolvi classificar os homens nas seguintes categorias: Homens brigadeiro- servem pra comer nos momentos tristes ou de festa,mas jamais o tempo inteiro, pois, enjoam e engordam; homens arroz de festa- voce os acha em todo canto, sempre como bons complementos, mas sozinhos, sao sem graça; homens pao frances quentinho- simples, indispensáveis e inesquecíveis,sempre darão saudades e voce nao ve a hora de provar novamente; por fim, a categoria homens Jiló - voce come uma vez pra experimentar, e jura jamais encarar de novo, nem apostando, sao ruins demais!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. A sensação que me dá é que vc é mais uma medíocre dessas que ficam tentando, aqui e acolá, imitar a vida de outra pessoa. Mas: só diz merdas nada a ver com a vida de quem quer imitar! Até pq, aquela q vc quer imitar dá chá de buceta, e são os homens que ficam, não somente "apaixonadinhos", mas de 4 por ela.
    VAI SE ENXERGAR, Ô COITADA!

    ResponderExcluir
  6. Ubirajara dos Santos, é isso mesmo?

    hahahahahahahahhahahahahahahahahahhahahahaha!!

    Vc é quem vc QUER SER, queridinho. E eu decidi ser esta mulher.

    Cresça, faça um curso intensivo de pontuação da língua portuguesa, depois venha falar comigo.

    Bjinhos!

    ResponderExcluir
  7. Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
    Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Caracas....vc é muito louca, de ir tão longe pra ver um cara desses....Mas o importante é q vc fez isso pra desencanar de vez desse traste...E o importante é q funcionou....E o importante são as experiências adquiridas por pessoas que passam pela nossa vida, mas que deixam aquela saudade gostosa, pelo tempo q ficamos juntos, por mais que não tenha sido tanto tempo assim...

    ResponderExcluir
  9. Lolay,

    Às vezes a gente paga um preço alto por nossas loucuras, mas eu acho que vale sempre a pena fazer o que o coração manda, mesmo que vc quebre a cara depois.
    Com o tempo, a gente não faz mais loucuras. Porque vai envelhecendo, vai ficando gata escaldada e tal.
    Obrigada pelo comentário, bjos!

    ResponderExcluir
  10. hahaha.. quanta atitude, exige no mínimo uma dose de coragem! Mas gostei do seu blog, de como expressas o que pensas.
    Na minha opnião, acho que, se achar que deve e que tem coragem, vale a pena fazer isso, ao contrário do que alguns pensam, acho que agraga muito valor á nos mesmas, que somos corajosas e que fazemos bem feito as coisas, e ainda, sem ser COVARDES!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Oi jessica,

    Eu fui movida por uma imensa obssessão e não me arrependo. Mas não faria de novo. A vida ensina a gente se preservar e mostra qual é o melhor caminho sem que vc precise dar tanto a cara ao tapa.

    Bjo e obrigada!

    ResponderExcluir

Não preciso dizer que comentários esdrúxulos e ofensas gratuitas serão deletados sem dó, né?

No mais, manda ver!

Grata!